Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Psicologia Feminina

Ter | 30.05.17

O que te faz feliz? #1

Ao criar este cantinho, o meu maior objetivo era divulgar a importância de cuidar da nossa saúde psicológica. Para isso, pretendo entrevistar várias mulheres e perceber o que é, para elas, a felicidade, o que lhes dá motivação e se têm algum historial de problemas de saúde mental (e como o ultrapassaram!).

 

A primeira mulher que entrevistei foi a Vânia do blog Lolly Taste. Não imaginam como fiquei satisfeita por a Vânia ter aceite este convite, sobretudo porque já sofreu de Sindrome do Pânico e de Depressão e conseguiu ultrapassar o problema! Além disso, aborda muito estes temas no blog com o intuito de ajudar pessoas que estejam na mesma situação! Posso mesmo dizer que, apesar de não a conhecer pessoalmente, ela é uma inspiração para mim, que também luto com problemas do mesmo género!

 

Aqui fica a entrevista. Espero que a achem tão interessante como eu achei. E visitem o Lolly Taste, não se vão arrepender!

 

1. Fala-me um pouco sobre ti e o que gostas de fazer.
Ora bem, chamo-me Vânia, tenho 31 anos e sou designer digital. Gosto de muitas coisas, talvez demasiadas para o tempo que tenho mas tento ao máximo esticá-lo para conseguir fazer tudo o que me faz feliz. Gosto muito de treinar, sinto uma alegria e energia imensa quando o faço por isso acordo às 6 da manhã durante a semana para o meu treino diário de crossfit sempre com boa disposição. Gosto de me alimentar bem e o mais natural possível, acredito que por já ter tido excesso de peso e ter vencido uma bulimia o tema alimentação tornou-se uma parte muito importante e presente na minha vida e por isso estou sempre em busca de mais informação e novos produtos para nutrir e tratar do meu corpo como ele realmente merece.

Adoro ler e desde o início do ano que passei a desligar-me mesmo das redes sociais a partir das 22h e comecei a usar esse tempo para ler e é incrível não só a quantidade de livros que já li como noto uma melhoria absurda no meu sono. Amo viajar, sou apaixonada pela Ásia, já lá estive duas vezes e acredito que um dos maiores enriquecimentos que trazemos à nossa vida vem das viagens por isso todos os anos procuro viajar. Este ano já estive em Gotemburgo e apesar de amar a Ásia e querer muito regressar a grande viagem deste ano já está marcada e é para um novo continente :)

Depois faço parte de uma associação de voluntariado animal  - a UPPA - há quase 4 anos, é uma causa pela qual visto mesmo a camisola porque acredito que é importante cada um de nós dar e fazer mais pelo mundo, acho que acabamos por nos envolvermos muito com o nosso ego e acabamos por nos esquecer que é importante para além de nutrir o nosso físico, nutrir também o interior e talvez por isso o meu maior mantra seja: Treina bem, come melhor e faz o bem que o resto vem!

2. Fala-me sobre o teu blog e os assuntos que mais gostas de abordar.
O Lolly Taste é um grande amor meu. Tem 7 anos, já teve momentos altos em que adorava escrever e já teve momentos baixos em que me senti desmotivada e parei de escrever, até que o ano passado depois de eu ter feito um post a desabafar sobre o facto de ter ficado doente devido a uma dieta muito restrita que fiz e ter recebido um feedback incrível percebi que tinha encontrado a minha voz na blogosfera e escrever tornou-se uma necessidade. A partir daí o caminho e os temas do Lolly Taste definiram-se muito bem e o que partilho por lá acaba por ser muito da minha experiência de vida. A luta contra o excesso de peso e a bulimia, os desabafos sobre como foi viver com uma depressão e ataques de pânico, desde a toma de medicação até à psicoterapia, falo muito sobre compulsão alimentar porque foi algo que me acompanhou praticamente a vida toda e acima de tudo gosto de mostrar que é possível sair destes buracos negros onde nos colocamos de vez em quando, não é fácil mas é possível. Costumo dizer que tenho um blogue sobre amor-próprio e acho que é a melhor forma de o descrever porque no fundo só quando baixei as armas e deixei de me comparar com outras pessoas é que passei a sentir-me mais plena e mais capaz de lidar com os meus demónios. Para além disto gosto sempre de trazer algumas receitas saborosas e saudáveis para o blogue e partilhar um pouco sobre voluntariado e o universo animal.

3. O que te faz feliz?
Ui tanta, mas tanta coisa. Eu considero-me uma pessoa muito feliz e sou muito grata por isso. Faz-me feliz cuidar de mim sem dúvida nenhuma, treinar, alimentar-me bem e sentir-me em paz com o meu corpo é sem dúvida algo que não tem preço e pelo qual sou muito grata. A minha família faz-me muito feliz, os meus gatos que sempre que chego a casa me recebem com o maior carinho, ir à UPPA e perceber a capacidade maravilhosa que os animais têm de perdoar mesmo quando alguns sofreram maus tratos pelas mãos humanas. Faz-me muito feliz viajar e viver ao pé da praia, tenho uma ligação muito especial com a praia também porque treino lá com um grupo de treino outdoor e para mim seja Verão ou Inverno ir à praia é fundamental para me sentir conectada comigo própria. Depois faz-me feliz escrever e saber que de alguma forma posso estar a fazer uma pequena diferença na vida de alguém, costumo dizer a quem me envia emails para desabafar que aquilo que mais me deixa de coração cheio é saber que as pessoas me lêem.

4. Fala-me sobre um objetivo que tenhas para a tua vida e o que tens feito para o alcançar. Onde vais buscar a tua motivação?
Bem tenho vários objectivos na minha vida que estão bem delineados na minha cabeça mas vou-te falar especificamente de um que é continuar a fazer o Lolly Taste crescer e poder chegar a mais e mais pessoas. O Lolly Taste tem 7 anos, mas foi o ano passado que se deu o grande boom de crescimento muito porque eu acabei por me encontrar na blogosfera - acabei por encontrar a minha voz - e isto é provavelmente a parte mais importante de um blogue, saberes o que queres comunicar e para quem queres.

Tenho trabalhado muito no blogue e brevemente vão haver novidades sobre ele. Cada dia que passa quero que ele cresça mais e chegue a cada vez mais pessoas porque sinto que tenho uma mensagem importante a passar e quero que mais pessoas percebam o quanto são bonitas, importantes e únicas. É isto que me motiva a continuar apesar do trabalho que me dá, saber que posso efectivamente fazer a diferença na vida de alguém e depois todos os emails e mensagens privadas que recebo de pessoas a desabafarem mostra-me que estou efectivamente a fazer as coisas de forma correcta.

5. Sofres ou já sofreste de alguma doença mental? Se a resposta for sim: Qual? Como ultrapassaste ou estás a ultrapassar esse problema?
Sim já sofri de Sindrome do Pânico e de Depressão durante 2 anos e apesar de às vezes ainda ter alguns inícios de ansiedade posso dizer que não tenho um grande ataque desde 2015. Foi uma época muito complicada porque quando comecei a sofrer de ataques de pânico no Verão de 2011 eu não fazia ideia o que se estava a passar, nunca tinha ouvido falar sobre nada disto e tudo o que lia na internet sobre os sintomas que tinha me levavam a achar que estava a morrer do coração. Esta condição começou a afectar-me muito a vida porque com o passar do tempo comecei a sentir medo de sair de casa para ir trabalhar, dormia mal, chorava muito, não comia e aos poucos comecei a desenvolver uma depressão. Acabei por procurar ajuda, primeiro com um cardiologista onde fiz todos os exames possíveis e percebi que não tinha nada cardíaco e depois a conselho desse mesmo médico procurei ajuda psicológica e psiquiátrica. Tomei medicação muito potente - anti depressivo e ansiólitico durante 1 ano - e fiz psicoterapia durante 1 ano e meio que considero mesmo ter sido a parte fundamental para me conseguir livrar da medicação e me voltar a encontrar comigo mesma. Durante mais ou menos 2 anos ainda tive um SOS na carteira mas hoje em dia já não tenho :) Por ter passado por tudo isto e na altura ter sentido que era a única pessoa do mundo com isto porque poucas pessoas falavam sobre isto, este é um tema muito presente no Lolly Taste porque é importante chamar a atenção para estas doenças que afectam mais pessoas do que realmente imaginamos.

6. Conheces alguém próximo que tenha algum problema de saúde mental? Se sim: Qual? Como lidas com isso?
A minha avó que já não está cá sofreu durante muitos anos com Alzheimer e Parkinson e talvez por isto eu seja muito sensível ao tema da saúde mental. Costumo dizer que o meu maior medo é vir a sofrer de Alzheimer porque acho que é das doenças mais crueis que alguém possa vir a ter. É triste ver uma pessoa a perder-se ao longo dos anos, a perder a sua identidade, a perder a sua essência como ser humano e terminar a sua vida assim sem saber quem é, o que fez na vida e quem são os que estão à sua volta, considero mesmo que é das formas mais tristes de se morrer. Na altura foi uma aprendizagem, a minha avó começou a sofrer os primeiros sintomas quando eu tinha 14 anos e como nunca ninguém na família tinha ouvido falar de Alzheimer acabou por ser um grande choque e tivemos de aprender com a doença. Tratámos dela com todo o respeito, demos-lhe todo o conforto e carinho que podemos - nunca a colocámos num lar, por isso viveu com a família até morrer - e acima de tudo sempre tentámos puxar ao máximo por recordações antigas para manter o cerebro minimamente activo porque é normal as pessoas com esta doença reagirem a estímulos de lembranças do passado. Não é uma doença fácil e acima de tudo desgasta muito emocionalmente, mas quero acreditar que fizemos o melhor que pudemos por ela e isso deixa-me em paz.

vania-duarte-amor-proprio-lollytaste-blog.jpg

 Obrigado, querida Vânia! Desejo-te todo o sucesso do mundo! 

 

Se quiseres partilhar a tua história connosco e fazer parte desta rúbrica, por favor envia um e-mail para psicologiafeminina@sapo.pt. Quantas mais formos melhor! ;)

Sab | 27.05.17

Pocketless Trend

 

Imagens encontradas no Pinterest.

 

Qua | 24.05.17

Fishnet Trend

Mais uma tendência que estamos a ver bastante este ano! Gosto muito de ver, mas não sei se usaria. E vocês? :)

 

Imagens encontradas no Pinterest.

 

 

 

Qui | 18.05.17

Chokers Trend

Mais uma tendência que veio para ficar este ano!

 

Imagens encontradas no Pinterest.

 

Qua | 17.05.17

Associação de Animais de Rio Maior

1622076_1539723726245479_1252368119085343645_n.jpg

Ontem uma senhora muito simpática abordou-me na rua para me falar de uma instiuição para cães abandonados que está, como muuuuuitas outras, a precisar da nossa ajuda.

 

A Associação de Animais de Rio Maior dá abrigo a muitos cães abandonados. Para estes poderem ser adotados, têm de ser vacinados e esterilizados. Acontece que este processo se torna bastante dispendioso e estão a ter dificuldades em fazê-lo a todos os animais. Muitos acabam por morrer!

 

A Adriana (que foi super simpática) tinha coisinhas para nos vender, como pulseiras, porta-chaves, ímanes, bolas anti-stress, entre outras coisas e o valor revertia para a Associação. No entanto, quem quiser também pode fazer um donativo ou partilhar através das redes sociais!

 

Deixo aqui a página de facebook e o site.

https://www.facebook.com/pg/AnimaisdeRioMaior

http://animaisderiomaior.wixsite.com/adotar 

 

Ter | 16.05.17

Motivational Tattoos

Quando passava por uma depressão, uma estudante de psicologia inglesa criou tatuagens temporárias, em forma de penso rápido, com mensagens motivacionais para quem sofre de depressão, ansiedade ou qualquer outro problema. 

 

Segundo a estudante Francesca Timbers, estas tatuagens, para além de darem uma força extra a quem está a passar por uma fase menos boa, servem para alertar as pessoas próximas de que algo se passa, visto que a solidão é das piores coisas para quem sofre de problemas psicológicos.

 

«Um penso rápido representa cura e tratamento e por isso achei que era um ótimo símbolo», disse a criadora desta ideia!

 

Nestas tatuagens podemos ver várias mensagens, como "força", "cuida de ti" ou "coragem".

 

Deste que começou, em 2015, Francesca já vendeu mais de 20000 packs. Este facto só demonstra que devemos sempre tirar partido do que nos acontece na vida, quer seja bom ou mau, e que tudo tem o seu lado positivo!

 

Deixo aqui algumas fotografias:

Fonte: www.noticiasmagazine.pt

Dom | 14.05.17

Off the Shoulder Trend

É, provavelmente, a maior tendência desta primavera/verão e pode ser vista tanto em tops como em vestidos e macacões. Deixo-vos algumas imagens para se inspirarem. :)

 

 Imagens encontradas no Pinterest.

 

Qui | 11.05.17

Saúde Mental

Ainda não fez um ano que fui diagnosticada com Perturbação de Ansiedade Generalizada e Perturbação Obsessivo-Compulsiva. 

Na minha opinião, estes assuntos ainda não são muito abordados (apesar de afetarem muita gente) porque ainda são vistos como um assunto de menor importância, como se a saúde mental não fosse tão fundamental como a saúde física.

Desde então, tenho sido medicada e acompanhada por um psicólogo e, apesar de ainda ter dias menos bons (ou maus mesmo, porque acontece a toda a gente), tenho notado uma grande melhoria.

Para quem não sabe, a Perturbação de Ansiedade Generalizada acontece quando a pessoa se sente demasiado agitada e nervosa, mesmo sem motivos. Toda a gente sente ansiedade, mas se nos sentimos assim sem razão aparente, devemos prestar atenção ao nosso corpo e, se o problema se prolongar, devemos procurar ajuda médica, sem vergonhas!

No caso da Perturbação Obsessivo-Compulsiva, a pessoa é invadida por pensamentos obsessivos (geralmente, o pensamento é de que algo de mau vai acontecer) e, para aliviar essa angústia, sentimo-nos "obrigados" a cumprir rituais estranhos (compulsões). Esses rituais são diferentes de pessoa para pessoa, mas os mais comuns são, por exemplo, lavar demasiadas vezes as mãos, verificar constantemente se desligámos um aparelho, se fechámos uma porta, contar várias vezes, repetir palavras, entre outras coisas.

No meu caso, eu já sentia alguns sintomas em criança, mas há cerca de 3 a 4 anos atrás, tive um acontecimento um pouco traumático, que despoletou ainda mais sintomas em mim, como falta de ar (como se tivesse um peso em cima dos pulmões), mudanças de humor, crises de choro, pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos. Para além disso, sentia uma falta de interesse por coisas que antes adorava fazer!

A primeira vez que fui a uma consulta, a médica disse-me que isto iria passar e que não podia fazer nada por mim. Apenas me disse para fazer uns exames devido à falta de ar, que não acusaram nada.

Passado 6 meses, voltei à mesma médica e expliquei que os sintomas não tinham passado (até tinham piorado) e que eu sentia que não estava no meu estado normal, ao qual a doutora me respondeu que não podia fazer nada, a não ser que eu quisesse "ir fazer terapia, como se faz com as criancinhas" (sim, disse-me isto nestas palavras!). Nesse dia, fiquei desolada e perdi um pouco a esperança.

Até que, passado uns meses, me atribuíram outra médica de família (que, por sua vez, é espetacular!). Voltei lá e expliquei tudo de novo e aí sim, fui diagnosticada, medicada e encaminhada para fazer Psicoterapia (finalmente, alguém me entendeu!). Desde aí, tenho passado por altos e baixos. Os sintomas que tinha diminuiram mas, enquanto isso, foram aparecendo efeitos secundários, mas faz parte! As consultas com o Psicólogo também têm sido uma grande ajuda!

Se quiserem partilhar as vossas histórias, por favor enviem um email para psicologiafeminina@sapo.pt. Faço questão de partilhar aqui no blog! :)

Qua | 10.05.17

Sobre Mim

Chamo-me Jessica, tenho 22 anos e criei este novo projeto para partilhar um pouco de tudo o que me apaixona, desde Moda, a Beleza, Decoração, Viagens e até a Pastelaria, que é a minha profissão!

Espero também ajudar quem, como eu, tem ou já teve problemas de saúde mental, que é um assunto ainda pouco abordado no nosso país!

Se têm histórias ou dúvidas para partilhar acerca destes temas, não hesitem em contactar-me através do email psicologiafeminina@sapo.pt.

 

Pág. 1/2